Total de visualizações de página

Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

R

R-Sertaneja sempre ligada a Melhor Rádio de se Ouvir.

terça-feira, 24 de abril de 2012

César e Caio: 24/04/12

 César e Caio: 
  Tive o prazer de conhecer em Santo André-SP, onde moro,
 A jovem dupla, César e Caio dois jovens que estão iniciando sua carreira artística e fazendo também um bom trabalho pela Música Caipira Raiz. 
Os irmãos César Augusto da Costa Teixeira Lemos (27/07/1975) e Caio Júlio César Teixeira Lemos (26/10/1977), "nasceram naquela serra" em Botucatu-SP, cidade que é um verdadeiro "Celeiro de Músicos Caipiras Raiz", conforme já foi mencionado na página dedicada aos Três Botucatuenses. 
            César cursava Análise de Sistema em Lins-SP e já cantava, porém, um outro estilo de música: o Rock. E Caio praticava Capoeira e também ouvia muita Música Raiz. 



Eles formaram a dupla em 25/12/1995; César com o Violão e Caio com a Viola Caipira: Tudo começou num determinado dia, quando César voltava a Botucatu para visitar a família, e ficou surpreso ao ver seu irmão Caio (o qual nunca havia solfejado uma única nota musical) cantando no quarto... Para Cesar, "não parecia o Caio que ele conhecia... “
            Nascia então despretensiosamente a dupla César & Caio; e a primeira apresentação em público foi num Festival de Música Sertaneja, no qual eles haviam sido inscritos por sua Avó, a Dona Maria Conceição Souza da Costa. 
Era o primeiro de muitos festivais que César e Caio até então nem sonhavam disputar. Com o segundo lugar e a premiação que foi conquistada, surgiu um novo estímulo para cantar e seguir a Carreira Artística! 
A jovem dupla caipira continua participando de festivais por todo Brasil, conquistando freqüentemente as primeiras colocações, que já os premiaram com aproximadamente cinqüenta troféus! . 
            No programa eles interpretaram "Cabocla Teresa" (João Pacífico - Raul Torres) (com a narração de Joãozinho - Violonista e também Violeiro do Regional do Robertinho), Merceditas (Ramon Sixto Rios - versão: Belmonte) e "Caminheiro" (Jack), além de um trechinho de "Tordilho Negro" (Teixeirinha), música que eles prometeram interpretar na íntegra na próxima apresentação no "Viola Minha Viola". 
            A Madrinha e Comendadora Inezita Barroso também cumprimentou a jovem dupla caipira botucatuense, e parabenizou-os por "reviverem tradições nossas", já que "Música não é antiga, senão ninguém tocava Música Clássica...". 
César e Caio também têm feito shows por todo o Brasil em parceria com o grupo Todo Torto e estão em fase de produção de seu primeiro CD. Acredito que dentro em breve terei o prazer de incluir comentários sobre o novo CD nessa página dedicada aos Novos Caipiras!! 
Parabéns, César! Parabéns, Caio! Sejam bem vindos a esse site que é dedicado a quem defende de verdade não só a Música Caipira Raiz, como também a Genuína e Boa Música Brasileira!! 
           
Contato para shows: (14) 3882-0988
e-mail: cesaralemos@hotmail.com
 
Palmeira e Piraci
            “Filho de Francisco Lopes Rodrigues” e de Encarnación Puga Rodrigues, o compositor.
Miguel Lopes Rodrigues, caboclo dos Marins, bairro da cidade paulista de Piracicaba, iniciou sua carreira artística em 1937, quando formou com o irmão Santiago Lopes sua primeira dupla sertaneja, os Irmãos Piracicabanos.
Durante os quatro anos em que Miguel e Santiago trabalharam juntos a dupla se apresentou em inúmeros shows, que incluíam ‘causos’, humorismo e alguma música caipira. Por sugestão de Oduvaldo Viana, Miguel associou-se então a Palmeira, fazendo Palmeira e Piraci surgir em 1941, na Rádio Difusora de São Paulo, a dupla caipira mais importante da década seguinte: Palmeira e Piracicabano.
            Com o imediato sucesso que obteve em todo o interior e na capital do Estado de São Paulo, por influência de Serrinha (Antenor Serra) e do Capitão Furtado, a nova dupla partiu para o Rio de Janeiro para gravar seu primeiro disco. Seu primeiro LP - composto por dez faixas musicais, entre as quais Mulheres Célebres (Capitão Furtado e ítalo Izzo) e Carro de Boi (Capitão Furtado e Orlando Puzone) gravado na RCA Victor - alcançou grande repercussão em todo o Brasil.
No lastro de seu amplo sucesso nacional, Palmeira e Piracicabano foram então contratados pelas casas de espetáculo de maior prestígio daquele momento, a Rádio Nacional e o Cassino da Urca, no Rio de Janeiro, que viviam seu período áureo. Foi por aquela época que Miguel Lopes Rodrigues, aceitando sugestão do padrinho e amigo Zé da Zilda, abreviou seu pseudônimo para Piraci e a dupla passou a gravar com o nome artístico de Palmeira e Piraci.
            Em 1944, retornando a São Paulo como contratada da Rádio Difusora, a dupla Palmeira e Piraci participou dos programas sertanejos Longe da Cidade e Arraial da Curva Torta, este último conduzido com grande eficiência pelo Capitão Furtado, e passou a gravar pela Continental. Canções como O Mundo Daqui a Cem Anos, Louvação a São Gonçalo, Sina de Beija-Flor (Palmeira, Piraci e Capitão Furtado), Promessa de Caboclo (Anacleto Rosas Junior), Paraguaia e Pepita de Ouro (Capitão Furtado e Palmeira), entre outras lançadas com o selo da nova gravadora, foram muito bem recebidas pelo público.
Em seguida, a convite da Força Expedicionária Brasileira, a dupla voltou ao Rio de Janeiro para cantar na Vila Militar, onde Piraci musicou A Carta do Expedicionário e Palmeira criou a melodia de A Resposta para o Expedicionário, ambas com versos do Capitão Furtado.
            Desfazendo-se a dupla Palmeira e Piraci em 1945, os antigos companheiros saíram à procura de parceiros para formar novas duplas. Palmeira juntou-se então ao cantor Luizinho e Piraci reuniu-se a Jorginho. Piraci e Jorginho logo ficaram conhecidos como Os Garimpeiros da Música Sertaneja.
Em 2004, o selo Revivendo lançou o CD "Caboclinho apaixonado", com 21 sucessos da dupla, entre os quais, "O burro canário", de Palmeira; "Mulheres célebres", de Capitão Furtado e Bandeirante; "Carro de boi", de Capitão Furtado e Orlando Puzone; "Franguinho carijó", de Raul Torres e Nhô Pai; "Segunda moda dos meses", de Capitão Furtado e "Adeus morena", de autoria da dupla.
Curiosamente, a última música gravada pela dupla Palmeira e Piraci, foi "Salada Internacional", gravada do lado "B" do primeiro disco gravado disco gravado por Tonico e Tinoco.
            Biografia: site Saudade da Minha Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário