Total de visualizações de página

Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

R

R-Sertaneja sempre ligada a Melhor Rádio de se Ouvir.

terça-feira, 21 de maio de 2013

Leôncio e Leonel 21/05/13

Leôncio e Leonel
Benedito Leonel, o Leôncio, nasceu no dia 11 de fevereiro de 1932 em Itajú/SP. Faleceu em 15 de novembro de 2002, em Bariri/ SP.
Guido de Souza, o Leonel, nasceu no dia 14 de dezembro de 1934, também em Itajú/SP.


Curiosamente os sobrenomes são diferentes, apesar de serem irmãos, e o integrante da dupla com o nome artístico de Leonel não tem esse sobrenome, ao contrário de Leôncio.
Os irmãos nasceram na roça e foram criados ajudando os pais no plantio de café, mas não abriram mão de cantar e tocar viola!
Passaram à infância e a adolescência em Arealva, Bariri onde o Leonel reside atualmente, e Itapuí.
Como dupla caipira, os irmãos Leonel iniciaram a carreira artística em Bariri, no início da década de 1950.
E nessa época eles se apresentaram pela primeira vez na Rádio Cultura de Pederneiras/SP.
Em 1954 incentivados por diversos fãs e amigos, seguiram para a capital paulista, levado pelo amigo Cride Riqueza.
Em São Paulo, os irmãos Leonel conheceram seus maiores ídolos que era Tonico e Tinoco.
E o nome artístico "Leôncio e Leonel", adotado pela dupla a partir de então foi por sugestão do Tonico, da dupla coração do Brasil que já fazia enorme sucesso!
E foi na Rádio América de São Paulo que a dupla se iniciou profissionalmente, em 1955, quando foram apresentados ao Nhô Crispim por Teddy Vieira e Euclides Riqueza.
Nhô Crispim apresentava o Programa "Alvorada Sertaneja", ao vivo, das 6:00 às 7:00 horas da manhã.
Com o término do contrato com a Rádio América, a Rádio Bandeirantes de São Paulo já estava de olho na jovem dupla que foi contratada e lá permaneceu por 8 anos, nos programas "Serra da Mantiqueira", comandado pelo Comendador Biguá e "Brasil Caboclo" do Capitão Barduíno.
Em 1956 Diogo Mulero, o Palmeira, era diretor artístico da RCA-Víctor e descobriu o talento de Leôncio e Leonel convidando-os para gravar o primeiro disco, o que se deu no dia 06 de agosto de 1956 tendo nesse 78 rpm, logo de início, o maior sucesso da dupla, que foi "Casinha de Aço" (Roque José de Almeida e Teddy Vieira).
E na RCA, Leôncio e Leonel gravaram 5 discos 78 rpm, com as seguintes músicas:
- CASINHA DE AÇO (Roque José de Almeida e Teddy Vieira)
- ADEUS TERRA (Osvaldo Aude, Ado Benatti e Riqueza)
- NAMORO INVEJOSO (Teddy Vieira e Lourival dos Santos)
- MULA RUZIA (Palmeira)
- MÃE DO ASSASSINO (Teddy Vieira e Sebastião Víctor)
- DOIS CORAÇÕES QUE SE AMAM (Teddy Vieira e Biguá)
- VAI DE RODA (Palmeira e Teddy Vieira)
- BOTINA APERTA NO PÉ (Raul Tôrres)
- ENCONTRO D'APARECIDA (Ado Benatti e Sulino)
- AS DUAS JÓIAS (Ado Benatti e Teddy Vieira)
Em 1957, Palmeira saiu da RCA e passou a ser diretor artístico da Chantecler, para onde levou seus artistas, como as Irmãs Galvão, Sulino e Marrueiro, além de Leôncio e Leonel e da própria dupla Palmeira e Biá que eram duplas que até então gravavam pela RCA.
Na Chantecler Leôncio e Leonel estrearam em 1958 com a moda de viola "Boi Fumaça" (Sulino e Moacyr dos Santos) e o cururu "Morena de Casa Branca" (Raul Tôrres e Sebastião Teixeira). Por essa época, Leôncio e Leonel faziam bastante sucesso em todo o Brasil.
Em 1961 gravaram na Chantecler o primeiro LP, intitulado "A Voz do Sertão".
Nessa época era preciso fazer muito sucesso para lançar Lps, caso contrário era somente 78 rpm...
A dupla viajou bastante pelas regiões centro-oeste, sudeste e sul do Brasil.
No início da década de 70 eles se mudaram para Londrina/PR onde residiram por cinco anos e atuaram na Rádio Auri Verde naquela cidade.
Voltando de Londrina, Leôncio e Leonel foram morar definitivamente em Bariri/SP.
Como não aceitaram certas imposições das gravadoras de um modo geral, a dupla ficou sem gravar no período de doze anos, que foi de 1984 a 1996, quando por insistência dos amigos, colegas e fãs, voltaram a gravar e a viajar.
Leôncio e Leonel apresentavam seus programas na Rádio Cultura de Bariri até novembro de 2002, quando Leôncio veio a falecer.
Leonel continuou trabalhando na mesma emissora após o falecimento do irmão, no entanto, não voltou mais a cantar.
A maior parte do repertório de Leôncio e Leonel é composta de toadas, apesar da dupla também terem gravado modas de viola, pagodes, cateretês e outros ritmos diversos.
Além de composições próprias, Leôncio e Leonel também gravaram músicas de diversos renomados compositores, dentre os quais, Moacyr dos Santos, Sulino, Roque José de Almeida, Roberto Stanganelli, Benedito Seviero, José Fortuna, apenas para citar alguns.
Leôncio e Leonel gravou ao longo de sua carreira um total de 27 discos 78 rpm, 03 compactos e 22 LPs, além de 04 CDs de coletâneas, 03 CDs remasterizados de LPs e 02 CDs de lançamento.
Site: www.leoncioeleonel.webnode.com
Texto: Sandra Cristina Peripato

Nenhum comentário:

Postar um comentário